quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

SOLIDÃO

 

965267_479272722150686_93460418_o

Pérolas Augusto Cury

Aqui há um principio interessante e sofisticado. Todas as pessoas que ficam íntimas de Cristo perdem espontaneamente o medo de assumir sua história, se interiorizam e se tornam fortes em reconhecer suas fragilidades.

A solidão é drástica, insidiosa e silenciosa. Falamos eloquentemente do mundo em que estamos, mas não sabemos falar do mundo que somos, de nós mesmos, dos nossos sonhos, dos nossos projetos mais íntimos. Não sabemos discorrer sobre nossas fragilidades, nossas inseguranças, nossas experiências fundamentais.

O ser moderno é prolixo para comentar o mundo em que está, mas emudece diante do mundo que é. Por isso, vive o paradoxo da solidão.

Muitos só conseguem falar de si mesmos diante de um psicólogo, porém, não há técnica psicoterápica que resolva a solidão.

No terreno árido das relações sociais é que a solidão deve ser tratada. É no mundo exterior que devemos construir canais seguros para falar de nós mesmos, sem preconceitos, sem medo, sem necessidade de ostentar o que temos. Falar demostrando aquilo que somos.

O que somos? Somos uma conta bancária, um título acadêmico , um status social? Não. Somos o que sempre fomos, seres humanos.

As raízes da solidão começam a ser tratadas quando aprendemos a ser apenas seres humanos. Parece contraditório, mas temos grandes dificuldades em retornar as nossas origens.

O dialogo em todos os níveis das relações humanas está morrendo, as relações carecem frequentemente de profundidade. Falar de si mesmo? Aprender a se interiorizar e buscar ajuda mútua? Remover nossas mascaras sociais? Isto parece difícil de ser alcançado. Talvez fosse melhor ficar ligado na TV , plugado nos computadores e viajar pela internet?

Cristo criou ricos canais de comunicação com seus íntimos. Tratou as raízes mais profundas da solidão. Construiu um relacionamento aberto, ricamente afetivo, sem preconceitos. Valorizou elementos que o poder econômico não pode comprar, que estão no cerne das aspirações do espírito humano, no amago dos pensamentos e das emoções.

Cristo reorganizou o processo de construção das relações humanas. As relações deixaram de ser um teatro superficial para serem fundamentadas num clima de amor poético, regado a solidariedade, em busca da ajuda mutua, de um dialogo agradável.

Cristo ensinou:

A arte de pensar

Os caminhos da  tolerância

A sermos fieis as nossas consciências

Vacinou contra a competição predatória

Ensinou a superar a ditatura do preconceito

Aprendemos a trabalhar com as nossas dores e frustrações

Desenvolvemos as funções mais importantes da inteligência.

Obrigada Senhor por ser meu pastor, meu mestre, meu amigo.

A ti todo o meu louvor!

Meus momentos prediletos solidão

Arrogância

A arrogância Se existe uma coisa que deixa o meu coração doído, entristecido é quando encontro, quando vejo, quando conheço, quando convivo...